quinta-feira, 16 de maio de 2019

7 Coisas Que Você Precisa Saber Sobre Ser Indie Dev

Ser desenvolvedor de jogos é praticamente o sonho de muita gente da nova geração. Qualquer um que cresceu jogando em algum video game ou PC, provavelmente já pensou em como deve ser trabalhar com isso.

Existe ainda toda uma romantização da profissão por parte de muita gente. Vários artigos e notícias reforçam essas ideias. Além de muitos erros cometidos por iniciantes, também tem muitas situações que acontecem nos bastidores que ninguém realmente divulga abertamente.

Já faz 6 anos que trabalho com desenvolvimento independente de jogos. Não sou nenhum sábio, mas ganhei muita experiência nesse meio tempo. É essa a experiência que quero compartilhar com vocês que estão começando agora, ou ainda tem vontade de trabalhar nesse mercado de desenvolvimento indie.
  1. Você Não Vai Lançar Um Jogo Hoje e Acordar Milionário Amanhã
  2. Não Basta Apenas Saber Fazer Jogos
  3. "Jogo Quando é Bom, Vende Por Si Só" - MITO
  4. Nem Tudo São Flores
  5. Aprenda a Reconhecer Suas Falhas…
  6. Não Existe Concorrência
  7. A Dica de Ouro

1 - Você Não Vai Lançar um Jogo Hoje e Acordar Milionário Amanhã

A mídia sempre divulga os casos de sucesso extremo, como Hollow Knight, que vendeu mais de 1 milhão de cópias, ou Cuphead, que recebeu várias indicações de melhor indie do ano, mas raramente mostra os vários peixes pequenos que estão por aí. Entenda, não precisa fazer cálculos rebuscados pra saber que esses jogos representam por volta de 1% dos jogos indie no mercado atual. Pra cada jogo indie de sucesso imenso, existem 10 que conseguem um lucro razoável, 100 que tiveram um lucro baixo e outros 1000 que não conseguiram lucro algum.

Existem vários fatores que colaboraram para o sucesso desses jogos, fatores esses que nem sempre estão ao alcance de todos. Isso não significa contudo, que seja impossível pra qualquer um alcançar um sucesso assim, é apenas improvável. Isso também não significa que seja impossível viver de jogos.

2 - Não Basta Apenas Saber Fazer Jogos

Então você sabe programar e desenhar? Legal!

Claro que isso é importante para se fazer um jogo, apesar de que ainda vai ficar faltando os efeitos sonoros, músicas, game design, level design, roteiro (dependendo do jogo) e outras coisinhas mais dos bastidores que só quem trabalha com isso sabe.

Mas antes de mais nada, entenda que desenvolvimento de jogos é um negócio como outro qualquer. Isso significa que você vai precisar saber administrar esse negócio, entender um pouco de mercadologia (ou marketing, pra quem não fala português), ler contratos, conhecer algumas leis, ficar por dentro da economia global, prestar suporte técnico após o lançamento, etc.

Se você trabalhar em equipe, uma ou mais pessoas terão que ficar por conta dessas coisas. Se você trabalha sozinho (como eu), terá que aprender pelo menos um pouco de cada coisa. Não precisa ser graduado em Administração de Empresas nem nada, mas dar umas conferidas em algumas palestras sobre estes assuntos, ler alguns artigos e livros sobre marketing digital, etc, farão toda a diferença.

3 - "Jogo Quando é Bom, Vende Por Si Só" - MITO

Você fez um jogo bom e bem feito? Legal também!

Mas caso não tenha assimilado o item anterior, volte e leia de novo.

É claro que ter um jogo bom vai ajudar. Se as pessoas gostarem do seu produto, a chance de recomendarem a outras pessoas é alta. No entanto, você ficará impressionado de ver como que tem tanta gente que compra e joga seu jogo, mas não tem a mínima consideração de deixar um review ou comentário na página da loja. Muita gente sabe que esses reviews fazem toda a diferença na visibilidade de um jogo, ainda mais quando se trata de um indie pequeno. Pior ainda, sempre vai ter alguém que fará questão de deixar um review negativo ainda por cima (geralmente agressivo, de baixo nível e sem conteúdo relevante ou caçando defeito onde não tem, mas falarei sobre isso mais a frente).

Mesmo que você tenha feito vários testes e pedido opinião de muitas pessoas antes de lançá-lo, mesmo tendo certeza que seu trabalho é bem feito e que seu jogo é divertido de jogar, sempre terão pessoas que vão fazer críticas ao seu jogo. Sempre terá quem goste e quem não goste do que você faz. Muitas dessas críticas são válidas, outras são apenas ataques. É importante saber lidar com os dois tipos de caso.

Como dizia minha avó: "Gosto é que nem …, cada um tem o seu" (palavras dela).

4 - Nem Tudo São Flores

Muita gente romantiza o trabalho de desenvolvedor. Todo mundo acha que você é rico e respeitado. Que as pessoas lhe admiram e lhe cumprimentam na rua e até param pra tirar selfie como se você fosse o Neymar ou a Bruna Marquezine. Mentira.

Sim, você terá fãs do seu trabalho. Mas a partir do momento que as pessoas romantizam a profissão, isso também desperta a inveja. Sim, inveja. Falando sobre inveja, recomendo assistir esta palestra do Leadro Karnal (ou este trecho de apenas 3 minutos, caso esteja sem tempo). Aliás, o acompanho já faz algum tempo e recomendo muito conferir outros conteúdos dele.

O sonho de praticamente toda geração atual é trabalhar com desenvolvimento de games. Muita gente quebra a cara quando tenta desenvolver um é vê que não é fácil. Quando (e se) conseguem, quebram a cara quando descobrem que lançar comercialmente é ainda mais difícil. Quando (e se) conseguem lançar comercialmente, quebram a cara quando vêem que não rendeu o lucro esperado.

A grama do vizinho é sempre mais verde. A internet é tóxica e a ilusão de anonimato reforça isso. Moderar todo mundo é impossível. Abrir um blog, site ou canal do Youtube não exige nenhum pré-requisito ou avaliação técnica e o número de seguidores ou inscritos não reflete necessariamente seriedade ou credibilidade. Aí está a receitinha do desastre.

Muita gente vai descontar sua frustração pessoal em alguém que está conseguindo se destacar de alguma forma. O problema não está no nome do jogo, nem nos gráficos, na jogabilidade ou naquela funcionalidade que seu jogo não tem. Está na pessoa mesmo.

Existem críticos, jornalistas, redatores e youtubers que fazem um trabalho profissional, imparcial e ético. Estes você deve saber filtrar dos que não são assim.

5 - Aprenda a Reconhecer Suas Falhas…

… mas não reconheça falhas que não são suas só pra ficar bem na fita. Essa tática não funciona e quem te ataca vai continuar atacando cada vez mais com o intuito de te derrubar. Existem muitas coisas que acontecem nos bastidores que não podem ser resolvidas (seja por uma questão de confidencialidade ou por questão técnica).

Se alguém apontar um bug no seu jogo, é legal você agradecer e corrigir na próxima atualização. Se não der pra corrigir, explique que não é possível corrigir e o porquê (se aplicável). Se a pessoa não era sua fã, pode se tornar uma. Se já era sua fã, ela vai te admirar mais ainda. Todo mundo gosta de saber que o desenvolvedor se importa com seus jogadores.

Se outra pessoa apontar um bug e você corrigir ou explicar o ocorrido, e ainda assim ela continuar te atacando de alguma forma ou distorcendo o que você diz, ignore (ou xingue e discuta bastante com ela, quem sabe não vira polêmica e ainda acaba rolando uma entrevista em uma emissora de TV globalmente conhecida depois?).

6 - Não Existe Concorrência

Isso mesmo. Não existe concorrentes no mercado indie. Não se trata de quem vende mais jogos ou aparece mais. Não existe batalha a ser travada. Não existe inimigo a ser vencido. Mas podem existir aliados.

Quem gosta de jogos indie, não vai jogar os mesmos jogos a vida toda. Uma hora ela vai cansar do título que está jogando e buscar outro. Quem joga metroidvanias, pode tanto jogar Hollow Knight, como Axiom Verge ou Porradaria 2: Pagode of the Night por exemplo.

Sendo assim, participe de fóruns e grupos sobre desenvolvimento de jogos de maneira saudável. Discuta e troque ideias, peça opiniões e compartilhe projetos. Compre e jogue outros jogos indie, conheça o trabalho deles, comente. Faça parcerias de divulgação (como fiz aqui no blog) ou quem sabe, até mesmo um projeto em conjunto?

Muitas pessoas que compram e jogam jogos indie, também são desenvolvedores independentes.

7 - A Dica de Ouro

A dica mais importante de todas. Somente aqueles que compreenderem plenamente o que eu disser aqui terão alguma chance de vencer no mercado.

Se quiser ser um desenvolvedor de sucesso, terá que aprender a ver o que os olhos não podem ver. Ouvir o que não pode ser ouvido. Se comunicar sem a sua boca. Sim, até mesmo sentir o ambiente ao seu redor sem o seu tato e olfato. Pressentir o futuro sem a sua intuição. Você terá que despertar o sentido que supera a todos os outros.

Todas as pessoas possuem um micro universo dentro de si, o microcosmo, que faz parte do grande cosmo e é capaz de interagir e transformar o universo a sua volta. Seu microcosmo é infinito e nunca se esgotará, por mais que esteja cansado ou enfraquecido. Ou seja, apenas aqueles que conseguem compreender a natureza do cosmo, o sétimo sentido, serão capazes de queimar seu microcosmo intensamente a ponto de explodir e realizar um milagre!

Isto é algo que você só conseguirá aprender com experiência própria.
(Podem rir a vontade fãs de Saint Seiya, mas falei sério, reflitam sobre isso).




Conhecimento serve pra ser repassado. Se gostou, compartilhe!

Espero que este artigo tenha lhe ajudado.
Qualquer dúvida, sinta-se a vontade para perguntar nos comentários! 😉👍

2 comentários: